Saiu na Imprensa

23/10/2012

Resumo de Notícias

RESUMO DE NOTÍCIAS

Terça-feira, 23 de outubro de 2012­

 

DIÁRIO CATARINENSE

MOACIR PEREIRA

 

Outro 22 de outubro

Outubro está consagrado no calendário de Santa Catarina pelas festas que dão projeção nacional e até internacional ao Estado. O mês deixou de ser apenas um destaque na agenda turística para se transformar no período em que mais se projetam as riquezas artísticas e culturais trazidas por imigrantes de diferentes origens. São promoções que envolvem as tradições germânicas, portuguesas, polonesas, tirolesas, italianas, etc.

Mas outubro também ficou na história, no início do século passado, pelo mais sangrento conflito armado já registrado no Estado. A Batalha do Irani, que ontem completou cem anos, deu início à Guerra do Contestado. Um importante episódio que começou a ser resgatado muito tarde pela literatura de Guido Wilmar Sassi (Geração do Deserto), por políticos como Esperidião Amin, pelos filmes de Silvio Back (Guerra dos Pelados e O Contestado – Restos Mortais), pelos pesquisadores Nilson Thomé, Paulo Ramos Derengoski e Celso Martins, e cientistas como Paulo Pinheiro Machado, entre outros.

A partir deste ano, 22 de outubro volta a se inserir na história do Estado pela decisão da BMW de instalar uma fábrica de automóveis em Santa Catarina. Coroa o esforço de autoridades, da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) e de muita gente competente atuando nos bastidores há tempo.

Um acontecimento que não se restringe à implantação de uma montadora de primeiro nível, fabricante de veículos de luxo e detentora de uma grife mundial pela alta tecnologia que desenvolve. Atrás dela virão os melhores especialistas do mundo em produção automotiva, em design, em novos padrões de um setor industrial vital para a economia estadual e nacional.

Santa Catarina, a partir deste 22 de outubro, entra em um novo e cobiçado patamar da economia mundial. A fábrica ficará em Araquari, mas seus benefícios cobrirão todo o Estado.

 

JUNTOS, A DANÇA E A EDUCAÇÃO

Mais de 300 alunos de escolas públicas da Grande Florianópolis e das regiões Sul e Litoral dançam, hoje, no palco do Teatro Pedro Ivo, junto ao Centro Administrativo. Eles fazem parte do festival escolar Dança Catarina, que chega à sua última etapa depois de apresentações em 31 cidades catarinenses nos últimos 50 dias. Um belo projeto de inserção social dessas crianças e adolescentes do ensino público municipal e estadual.

 

Arrecadação

A prefeitura de Florianópolis teve um aumento na receita de R$ 390 milhões em 2005, quando Dário Berger (PMDB) assumiu, para mais de R$ 1,2 bilhão. Revelação de Gean Loureiro (PMDB) no Conversas Cruzadas, da TVCOM, ao lamentar que apenas 11% do total é destinado a investimentos. No programa desta noite, Cesar Souza Junior (PSD).

 

Sobre o nível

Ex-governador e deputado federal Esperidião Amin (PP) discorda de que as acusações sobre a nomeação da arquiteta Cintia de Queiroz e os contratos com as prefeituras de Florianópolis e São José constituam baixaria. Alega que foi Gean Loureiro (PMDB) quem introduziu a mulher na campanha. O pepista completa:

– Foi ele quem deu o primeiro, tiro disparando contra a minha família no primeiro turno.

 

Sem baixaria

Coordenador da campanha de Jean Kuhlmann (PSD), jornalista Nelson Santiago, contesta o candidato Napoleão Bernardes (PSDB), que criticou “baixaria na campanha” em Blumenau. Disse que os programas denunciam apenas as incoerências de Napoleão e de seu vice Jovino Cardoso (DEM), ambos vereadores, que pregam enxugamento da prefeitura, mas criaram 80 cargos comissionados e reajustaram em 35% os salários dos vereadores.

 

Professores

A Assembleia Legislativa realiza sessão especial, hoje, às 19h, para homenagear a Associação Catarinense dos Professores, que está comemorando 60 anos de fundação. A entidade conta com 14 mil sócios e mantém a Hospedagem do Professor, no Centro, e sedes recreativas em Canasvieiras e Praia de Fora. É presidida pela professora Maria de Andrade Silva.

 

Um basta

Por considerar que houve “reiterada desobediência” em decisões que impediam o uso de imagens digitalizadas em inserções de propaganda eleitoral, o juiz Hélio Figueira dos Santos determinou que a campanha de Cesar Souza Junior (PSD), em Florianópolis, fique 48 horas sem poder utilizar o recurso.

 

– Ou se toma uma providência legal ou esse final de campanha se transforma num vale-tudo, observado passivamente pela Justiça – disse o juiz eleitoral.

 

DIRETAS

- A Fundação Mauricio Sirotsky Sobrinho e o professor Sylvio Sniecikoviski, ex-secretário de Educação de Joinville, receberam o Prêmio Elpidio Barbosa, ontem, no Teatro Álvaro de Carvalho.

 

- O senador mineiro Aécio Neves (PSDB) desembarca hoje em Blumenau para apoiar a candidatura de Napoleão Bernardes (PSDB) a prefeito. Participa de uma concentração na Praça Doutor Blumenau, na Rua XV de Novembro a partir das 18h.

 

- Raimundo Colombo (PSD) lança hoje o edital para contratações da empresa que vai operar o aeroporto de Jaguaruna. O modelo de concessão é inédito em Santa Catarina e pode ser replicado em outros aeroportos regionais do Estado.

 

VISOR | RAFAEL MARTINI

 

TEMER VEM

Michel Temer, vice-presidente da República, convidou a ministra Ideli Salvatti para acompanhá-lo a Florianópolis amanhã para reforçar a campanha de Gean Loureiro.

 

PÉ DO OUVIDO

Gastão Vieira, ministro do Turismo, chamou Raimundo Colombo para um tête-à-tête de cantinho, durante a abertura da Oktoberfest. Disse que o Estado poderia escolher até três projetos na área para tocar com recursos federais por conta da boa relação entre o Planalto e o Centro Administrativo. Basta indicá-los e apresentar a proposta executiva.

 

Celso Calcanhoto, secretário de Turismo Esporte e Cultura, fechou a lista ontem: as três prioridades são a construção do centro de eventos de Balneário Camboriú (R$ 65 milhões), a pavimentação dos 15 quilômetros entre Porto Belo e Bombinhas, via Zimbros (R$ 15,2 milhões), e a duplicação da SC-403, que dá acesso aos Ingleses (R$ 27,9 milhões).

 

SARNA PARA SE COÇAR

Como se não tivesse mais com o que se preocupar na administração da Vara de Execuções Penais da comarca de Joinville, o juiz João Marcos Buch anda as voltas com um surto de sarna que acomete apenados do presídio local há dois meses. O governo alega não possuir medicamentos em estoque para atender à demanda.

 

Recentemente, o magistrado precisou ameaçar a médica de um posto de saúde vizinho ao estabelecimento penal com ordem de prisão caso ela voltasse a negar atendimento para um sentenciado. Definitivamente, não é dessa forma que se conseguirá se salvar sequer uma daquelas tantas almas trancafiadas no cárcere.

 

DILMA LIGADA

O presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, sentiu firmeza na reação da presidente Dilma quando ele informou sobre os bons resultados em SC do programa de formação profissional Pronatec.

 

– Ela falou que o Senai foi a parceria certa para realizar o programa. Ficou muito claro que acompanha a questão com interesse – disse Côrte, no evento da BMW.

 

CACAU MENEZES

 

Perfumaria

Muita agitação, mas a realidade é outra. O jogo de pegar a prefeitura é de poder. A nova visão para Floripa os candidatos não contemplam. Por exemplo:1) Como construir uma economia resiliente e verde? 2) Como erradicar a pobreza e alcançar modos sustentáveis de consumo e produção? 3) Como estabelecer desenvolvimento em uma Floripa com restrição ambiental? Nada respondem – nada sabem. Tudo é perfumaria.

 

O cara!

Sem tempo a perder e com o susto da última pesquisa do Ibope, o jeito foi partir para o ataque. Marqueteiro Fábio Veiga, que participou das duas eleições de Dário Berger em Floripa e agora trabalha para o seu adversário, Cesar Souza, é o nome da eleição deste ano em Florianópolis. Ganhando ou perdendo. Meu amigo tão discreto está entre a cruz e a espada. Se ficar o bicho pega, se correr o bicho come.

 

 

Resposta ao senador

João Marcos Buch, juiz de Direito da Vara de Execução Penal de Joinville, em resposta ao que leu nesta coluna no sábado, esclarece que o acesso à rede por presidiários já não é permitido e essa discussão no Senado é insípida. “O senador Paulo Bauer deveria, isto sim, discutir a responsabilização do agente público que desrespeita os direitos fundamentais, pois sabemos que o Estado paralegal existe onde o legal não se faz presente.”

 

POLÍTICA

 

DISCÓRDIA NA TV

Polêmica das datas tem mais um round

Mulher de Gean volta a falar sobre sua nomeação para cargo na prefeitura

 

A polêmica envolvendo a mulher do candidato Gean Loureiro (PMDB), Cintia de Queiroz, teve mais um capítulo no programa eleitoral da campanha de Florianópolis na noite de ontem.

 

Cintia gravou novo depoimento sobre as inserções de Cesar Souza Junior (PSD) que questionam sua nomeação para um cargo comissionado na prefeitura e contratos de sua empresa com a prefeitura de São José e com a secretaria regional da Grande Florianópolis.

 

A mulher de Gean disse considerar “absurdo” ter de mostrar sua certidão de casamento em programa eleitoral. Segundo o documento, Cintia e Gean estão oficialmente casados – contrato de união estável – desde 7 de abril de 2009, e não desde fevereiro de 2006, como informava o perfil mantido pelo casal no Facebook e no próprio site de campanha de Gean. Esses dados foram retirados do ar depois da polêmica eleitoral. Em seguida, Cintia afirmou que conheceu seu marido quando já era funcionária da prefeitura, ressaltando que deixou o cargo logo após o casamento.

 

Essas datas, no entanto, não batem com informações disponibilizadas no site de sua empresa e em seu currículo Lattes. Nas duas páginas, a arquiteta informa que foi gerente de projetos na prefeitura de 2005 até 2007.

 

A mulher de Gean também desafiou que apontem irregularidades no contrato de sua empresa com a prefeitura de São José.

 

O programa eleitoral de ontem da candidatura de Cesar Souza Junior não tocou nesta polêmica.

 

“O eleitor tem o direito de saber tudo”

ENTREVISTA: Cesar Souza Junior, Candidato do PSD à Prefeitura da Capital

 

Candidato do PSD à Prefeitura da Capital, Cesar Souza Junior justifica, nesta entrevista por e-mail, as denúncias feitas contra a mulher do adversário, Gean Loureiro (PMDB).

 

Diário Catarinense – Seu questionamento no horário eleitoral é que a mulher de Gean Loureiro foi nomeada para um cargo na prefeitura quando ele era secretário. É um ato que desabona seu adversário a ser prefeito?

Cesar Souza Junior – Sem dúvida. Acho isso muito grave. A sociedade não tolera mais esse tipo de comportamento. Essa prática é proibida pela lei que combate o nepotismo. Essa é a importância da eleição. O eleitor tem o direito de saber tudo sobre nós.

 

DC – O senhor fala, ainda, sobre os contratos da empresa de Cintia Queiroz com a prefeitura de São José e secretaria regional. Existe prova de irregularidades ou o questionamento é ético?

Cesar – O que mais me impressiona na gestão atual é a quantidade de escândalos produzidos ao longo de oito anos. Há dos dois tipos: desde escândalos por falta de ética até os com indícios de irregularidades, como a Moeda Verde, a Árvore de Natal, show do Bocelli, entre outros.

 

DC – Gean diz que o senhor está jogando sujo.

Cesar – O que fizemos foi trazer um ato administrativo, uma informação que tem que ser pública. Se ele nomeou a mulher para um cargo na prefeitura é porque não viu nada de errado nisso. Qual o problema em divulgar essa informação? Tentam é jogar uma nuvem de fumaça. No lugar de reclamar, deveriam explicar. Grave não é trazer assuntos particulares a público. É tratar dinheiro público como se fosse particular.

 

DC – Outra reclamação do candidato adversário é de que sua campanha não é de propostas, mas de ataques. O que senhor tem a dizer sobre isso?

Cesar – Mostrar promessas não cumpridas e desvios de conduta é ataque? Não é isso que a imprensa faz, e bem, todos os dias? Peço a ele que compare com o proponho: remédio em casa, licitação do transporte, creches no verão, Plano Diretor.

 

DC – Qual sua resposta ao processo que Gean pretende mover?

Cesar – Revelei um ato público, já divulgado no Diário Oficial. Acho gravíssimo o que estão fazendo. A data do casamento que estava no Facebook de ambos desapareceu. Depois, o texto no site oficial da campanha de Gean foi trocado. Onde se lia que são casados há seis anos, agora consta só que são casados, sem datas. Para tentar confundir e convencer que a nomeação foi antes da união.

 

 

FLORIANÓPOLIS

Os candidatos e os 19 desafios

 

Criado para ajudar a resgatar a autoestima da cidade e envolver diversos setores na construção de um lugar melhor, o Movimento Floripa Te Quero Bem chega à reta final das eleições querendo saber quais compromissos o futuro prefeito pretende assumir com a população.

 

Faltando quatro dias para as eleições, os candidatos Cesar Souza Junior (PSD) e Gean Loureiro (PMDB) contam como pretendem enfrentar as questões que devem ocupar a lista de prioridades de governo nos próximos quatro anos.

 

A partir do documento Desafios de Florianópolis – Subsídios para Eloboração do Plano de Metas, do Movimento Floripa Te Quero Bem (FTQB), foram elaborados 19 desafios sobre cinco diferentes temas – saúde, educação, planejamento urbano, segurança e mobilidade.

 

Este não é o primeiro contato de Cesar e Gean com o movimento. Em 15 de agosto, os candidatos receberam o documento, elaborado por um comitê formado por 60 representantes de entidades sociais.

 

Hoje, o DC publica os desafios das áreas da saúde, educação e planejamento.

 

Amanhã, as respostas sobre segurança e mobilidade.

 

 

JORNAL A NOTÍCIA

 

CANAL ABERTO | CLÁUDIO PRISCO

 

VITÓRIA HISTÓRICA DE SC

Santa Catarina viveu ontem, em Brasília, um momento único que poderá representar uma guinada na atividade econômica do Estado, que conquistou, na prática, sua primeira montadora. A instalação da BMW no município de Araquari, com a fabricação de automóveis de luxo, vai implicar em mais de R$ 500 milhões de investimento, com a geração de mil empregos diretos.

 

A chegada da montadora alemã ao Brasil, em 2013, coloca SC no circuito dos Estados com perfil para acolher grandes empresas estrangeiras, sempre atentas à mão de obra qualificada. A cadeia produtiva catarinense tem tudo para ser incrementada, com a geração de renda e também de empregos indiretos, além de novas oportunidades no contexto da economia.

 

Na presença do vice-presidente da BMW Mundial, Ian Robertson, Dilma Rousseff tomou conhecimento das condições do acordo entre a empresa e o Estado, que deve ser formalizado oficialmente na próxima segunda-feira, com a participação dos ministros Fernando Pimentel e Ideli Salvatti.

 

Os secretários Paulo Bornhausen (Desenvolvimento Econômico) e Alexandre Fernandes (Articulação Internacional) desde o começo, e agora mais recentemente o presidente da Celesc, Antonio Gavazzoni, desempenharam papel determinante para a escolha de Santa Catarina, que disputou com Estados poderosos como São Paulo e Minas Gerais.

 

A origem da negociação ocorreu no governo Luiz Henrique, mas a administração Raimundo Colombo conseguiu avançar nos entendimentos com a BMW, com a ajuda da União. De parabéns o Brasil e Santa Catarina pela boa nova, especialmente porque representantes dos mais variados partidos souberam conduzir o processo de forma despolitizada, colocando os interesses do Estado em primeiro lugar.

 

E olha que apenas seis dias separam o anúncio da instalação da montadora do segundo turno das eleições municipais.

 

MOBILIZAÇÃO CATARINENSE

Secretários Alexandre Fernandes (E) e Nelson Serpa (D) acompanham a entrevista de Raimundo Colombo, na chegada ao Palácio do Planalto, além do presidente da Fiesc, Glauco Corte (centro).

 

 

Paulo Bauer gravou ontem depoimento em favor de Udo Döhler e está convencido de que o candidato peemedebista vai repetir a virada de 1988. “O clima está muito parecido com a eleição de Luis Gomes, que na última semana de campanha virou para cima de José Carlos Vieira, favorito em todas as pesquisas”, observou o senador tucano. Hoje, Bauer vai a Blumenau se integrar à campanha de Napoleão Bernardes, juntamente com o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Na sequência, os dois vão cumprir roteiros em quatro Capitais: São Luiz, Manaus, Belém e João Pessoa, além da cidade de Campinas (SP).

 

Reta final

As principais lideranças estaduais do PSD estão mobilizadas para um esforço derradeiro nas eleições de Joinville, Florianópolis e Blumenau. Raimundo Colombo e Gelson Merisio vão liderar atividades eleitorais reforçando as pretensões de Kennedy Nunes, César Souza Júnior e Jean Kuhlmann. Enquanto o governador vai concentrar baterias na Capital e no Vale do Itajaí, o presidente da Assembleia no Norte do Estado. O convencimento generalizado é de que a vitória nas três cidades abriria boas perspectivas de reeleição de Colombo em 2014.

 

Viés econômico

Casildo Maldaner não participou do anúncio da instalação da BMW em SC porque representou o Senado na abertura do Congresso Internacional de Trigo, realizado em Florianópolis. Presidida pelo diplomata Sérgio Silva do Amaral, a Abitrigo representa empresas de moagem de trigo responsáveis pela produção de farinhas, pães, macarrão, biscoitos, entre outros. “O momento dessa cadeia produtiva é sensível e precisamos estar atentos, pois seus reflexos impactam diretamente no custo de vida do cidadão”, ressaltou o senador.

 

No Sul

Os empresários Antenor Angeloni e José Luiz Plácido, além do médico Flávio Spillere, estão sendo lembrados como alternativas de candidaturas únicas em Criciúma, uma vez confirmada nova eleição pela Justiça Eleitoral. O trio arrancaria o consenso entre os vários partidos, evitando disputa eleitoral no momento em que a cidade já estará fragilizada pelo veto ao novo mandato do prefeito Clésio Salvaro (PSDB). Se o entendimento não for possível, tudo leva a crer que os deputados federais Ronaldo Benedet (PMDB) e Jorge Boeira (PSD) vão se enfrentar nas urnas, juntamente com o vice-prefeito Márcio Búrigo (PP).

 

CRICIÚMA

O vice-governador Eduardo Moreira (PMDB) vai cumprir a segunda interinidade no comando do Estado com a viagem de Raimundo Colombo ao exterior, em meados de novembro. O vice inclusive já está organizando uma agenda para o Sul, com atos e inaugurações.

 

POSIÇÃO

A deputada federal Luci Choinacki (PT) percorreu o Estado fazendo campanha para os prefeitos do PT e aliados nestas eleições. Neste fim de semana, se incorporou às atividades eleitorais de Gean Loureiro (PMDB), em Florianópolis, fortalecendo a aliança com o governo federal.

 

PAPEL

Entre os homenageados com a Medalha Defesa Civil Nacional, o senador Casildo Maldaner (PMDB), que luta pela regulamentação de um novo marco legal para o setor, que garanta recursos disponíveis, especialmente para investimento na prevenção de enchentes e desastres naturais.

 

PORTAL

 

EM QUEDA

Quem anda achando que tem chovido pouco neste ano em Joinville, tem razão. As fortes chuvas de ontem não são comuns em 2012. Pela estação da Univille, foram 1,5 mil milímetros entre janeiro e setembro, o menor volume desde 2007, quando choveu apenas 1 mil mm, o mais baixo índice desde 1996, quando iniciou a série histórica da universidade joinvilense. Nos últimos dois anos, a média nos primeiros nove meses estava em torno de 2,3 mil mm. No início do ano, Joinville enfrentou problemas no abastecimento em determinados pontos da periferia. Mas a causa seria o alto consumo, não exatamente a falta d’água. A Águas de Joinville não enfrentou – nem enfrenta – qualquer queda na produção das estações do Cubatão e do Piraí.

 

Sindicatos

Em almoço ontem, Udo Döhler ganhou o apoio de 29 sindicatos de trabalhadores de Joinville. Coube a Waldemar Schulz Júnior, o Mazinho, dos comerciários, entregar a carta de adesão à candidatura. Em discurso, Udo agradeceu a iniciativa garantindo que está se aproximando da vitória neste segundo turno.

 

Trânsito

Funcionários do Ittran conversariam ontem com Kennedy sobre os planos do candidato para o trânsito. O pessoal já teve encontro, com o mesmo tema, com Udo. O MP tem ação, apresentada em julho e em análise no Tribunal de Justiça, contra determinados artigos de criação do instituto.

 

Prédios vazios

Em Florianópolis, o MP está preparando uma vistoria em prédios abandonados no Centro, para ver o que dá para fazer em relação aos moradores de rua. Em Joinville, a PM montou um dossiê sobre os prédios vazios e pediu providências à Prefeitura. Mas a coisa aparentamente não andou.

 

Para domingo, dia do 2º turno (em Joinville, a abstenção cresceu quando foi realizada essa segunda votação), a previsão é de chuva.

 

Tarifa

Nos estudos de revisão tarifária (há perigo de ter de mudar tudo quando trocar o prefeito), a Amae analisa a possibilidade de reduzir para 5 metros cúbicos o consumo a ser cobrado da taxa mínima. Hoje, é de 10 m3. Mesmo que seja consumido menos, o usuário paga R$ 24,63 – a tarifa social fica em R$ 10,02.

 

Consumo real

Com os 5 m3, vira quase consumo real, afinal, poucas economias gastam menos do que isso. Nos próximos dias, a Amae vai retomar a cobrança por melhorias na recuperação das vias por onde passou a rede de esgoto. As reclamações caíram, mas ainda há problemas na compactação do pavimento.

 

A Câmara de Joinville não realiza sessão hoje porque parte dos vereadores quer acompanhar votação em comissão da Assembleia de projeto de permuta de prédios entre a Justiça Federal e a Prefeitura (o antigo Fórum ficará com o município). Na semana passada, grupo de vereadores acompanhou votação em outra comissão.

 

Prorrogado

Como nas demais regionais do Estado, a SDR de Joinville vai prorrogar convênios com as prefeituras. O prazo para os repasses está sendo esticado para o ano que vem e há intenção de pagar pelo menos 10% agora em 2012. Houve atraso nos pagamentos porque a receita não subiu como o esperado.

 

Comparação

Claro que a fábrica da BMW vai trazer vários outros investimentos. Mas a construção da primeira fase da montadora vai consumir 200 milhões de euros. São R$ 530 milhões. É quase a folha anual da Prefeitura de Joinville. O orçamento do muncípio para 2013, com todo tipo de despesa, será de R$ 1,9 bilhão.

 

Paulo Bauer acompanha hoje Aécio Neves em visita a Blumenau, para apoio a Napoleão Bernardes – que disputa o segundo turno com Jean Kuhlmann (PSD). Joinville está fora do roteiro do senador mineiro. Na cidade, o PSDB fechou apoio a Kennedy Nunes. Mas Bauer está com Udo. Ontem, ele participaria de gravação.

 

Wikipedia

Presente na solenidade da BMW em Brasília, o prefeito de Araquari, João Pedro Woitexem, foi cercado por jornalistas atrás de informações sobre a cidade. “A maioria nunca tinha ouvido falar”, conta o peemedebista. De agora em diante, vão ouvir bastante.

 

Integração

Talvez agora, com a vinda da fábrica da BMW, Joinville e Araquari se entendam e consigam fazer a integração do transporte coletivo. Até agora, foi mais fácil uma montadora alemã se instalar na região do que fazer duas cidades vizinhas se entenderem sobre uma linha de ônibus.

 

Como tem mais espaço, já tem gente sugerindo levar o próximo Stammtisch para a Beira-rio, debaixo das figueiras. Mas será que a proximidade com o Cachoeira não atrapalharia? Quem defende diz que não, é só olhar o movimento nos domingos, quando a rua é entregue aos pedestres. No Stammtisch de sábado, mais grupos estavam interessados em participar, mas não tinha mais vagas.

Mandato na Amae

Seja quem for o novo prefeito, Renato Monteiro continuará como presidente da Amae. O mandato se encerra somente no final de 2014. Sobre outras possíveis mudanças, como redução na taxa de esgoto, Renato aponta necessidade de estudos.

 

PT x PMDB

Carlito Merss aponta o comportamento nos últimos dias da campanha do PMDB como mais uma mostra do acerto do PT em apoiar Kennedy. “No 1º turno, disfarçaram. Agora mostram a cara, a política velha, a agressividade. Antes, queriam meu apoio, agora, me agridem”, diz o prefeito.

 

Nota do PT

Carlito conversou ontem com Mariani e se comprometeu em tentar buscar aliança entre PT e PMDB na disputa pelo governo do Estado. Mas o petista rejeita a parceria com ala do PMDB que “quer Serra, Aécio”. O PT de Joinville divulgou nota lamentando “ataques” da campanha de Udo contra o prefeito.

 

Apesar de estarem em lados diferentes no 2º turno, os dois vereadores eleitos do PPS de Joinville garantem estar afinados. Dorval Preti apoia Kennedy e Levi Rioschi está com Udo. A posição em relação ao 2º turno é circunstancial e ambos vão atuar em parceria.

 

Disputa na OAB

Em edital a ser publicado hoje, aparecem duas chapas inscritas na disputa pela OAB de Joinville. A chapa “OAB para Todos” tem Wilson Pereira Júnior como candidato a presidente, com Marcelo Cardoso como vice e Paulo Kalef como secretário.

 

Mais de 2 mil

A chapa Advocacia Forte vem com Maurício Alessandro Voos como presidente, Luiz Gustavo Rupp como vice e Simone Brummer na secretaria-geral. O mandato é de três anos. Em Joinville, são 2.058 advogados habilitados a votar. A eleição será em novembro.

 

Em Brasília

A ministra Ideli Salvatti e o senador Luiz Henrique sentaram lado a lado na cerimônia de ontem da BMW, com a presença de Dilma. Não se sabe do que conversaram, além da vinda da montadora. Mas Ideli não deverá vir para a campanha de Udo: é para evitar constrangimentos com o PT de Joinville.

 

 

JORNAL NOTÍCIAS DO DIA

 

ROBERTO AZEVEDO

 

O jogo dos sete erros

Quando se esperava que o perfil jovem dos candidatos que disputam o segundo turno em Florianópolis refletisse em uma campanha de mudanças, o que se vê, neste momento, é uma repetição do conceito de se fazer a velha política. O valor de uma informação contrasta com ataques que parecem desmedidos, questionáveis no objetivo de angariar votos.

Na trama, a arquiteta Cíntia de Queiroz, mulher do candidato Gean Loureiro (PMDB), virou o personagem principal dos últimos dias. Cíntia era funcionária da prefeitura da Capital e, na versão da equipe de Cesar Souza Junior (PSD), foi nomeada e beneficiada pelo então secretário de Governo. Gean seria, quando dos acontecimentos, seu futuro marido. Para Cesar Junior, trata-se de fato de interesse público, não baixaria.

O casal nega a relação dos fatos com as datas diante da prova considerada contundente pelos adversários: a data do relacionamento relatada pelo peemedebista em sua fã page no Facebook. Algo que pouco deveria acrescentar do ponto de vista ético maior.

Dar relevância ao conteúdo das redes sociais, via internet, a produção de documentos é um flagrante contrassenso diante da suposta credibilidade de tudo que nela é escrito. Em 2008, Cesar Junior era candidato à prefeitura e foi vítima de uma campanha difamatória, urdida para expor sua vida pessoal. O território era o mesmo, a internet, com propagação através de blogs, já que as tais redes sociais não estavam amadurecidas.

Fazer denúncias é legítimo, pois quem entra em uma eleição sabe que sua vida será vasculhada. A política do ataque, porém, resulta em alguns votos e retira outros tantos. É de alto risco.

O mesmo quadro se verifica em Blumenau, onde o alvo é o tucano Napoleão Bernardes, que ora recebeu o apoio do PT da deputada Ana Paula Lima. O autor é Jean Kuhlmann (PSD) em busca da desestabilização do adversário.

A forte pressão dos marqueteiros, que têm feito prodígios com os concorrentes de menor potencialidade, sucumbe, neste instante, à prática mais ultrapassada de uma campanha: desqualificar o oponetente a ponto de lhe imputar a pecha de mentiroso ou desleal. A tática já teve consequências na Capital. Angela Albino (PC do B) viu seu partido seguir com Gean por conta da saraivada de acusações que lhe foram feitas no primeiro turno, o que, em parte, foi responsável por lhe retirar do segundo turno.

Se o cenário andava cinzento nos momentos que antecederam o debate na RIC TV/Record, ontem à noite, não há perspectivas de alterações substanciais até domingo em Florianópolis. Os candidatos, que mantiveram no programa o mesmo ritmo da propaganda eleitoral, deveriam aprender com as lições do passado e comparar os cenários tal qual o jogo dos sete erros. Descobrirão que o eleitor se mostra refratário ao denuncismo, à baixaria. Aliás, dois conceitos que cabem a quem assiste e vota, não aos que planejam.

Hoje, os impressos apócrifos, que ainda são utilizados para propagar todo o tipo de podre de um candidato, convivem com as ações nas redes sociais via internet, que repecutem o que foi apresentado no horário eleitoral no rádio e na TV. Verdadeiras correntes intermináveis de defensores ferrenhos de um ou outro candidato, embalados pelas denúncias. Afinal, o objetivo é provocar a dúvida, pouco importa esclarecer.

 

Tem mais

Nos bastidores corre que a próxima etapa dos ataques a Gean Loureiro vem diretamente de farta documentação recolhida na Câmara da Capital.

O candidato peemedebista foi vereador por quase duas décadas e presidiu a casa, o que sugerem os adversários siginfica muita coisa para esclarecer.

 

Definido

Enquanto prepara ações em Joinville e Florianópolis para levar o apoio a seus candidatos a prefeito, a reunião de ontem do diretório estadual do PMDB marcou a realização da convenção que escolherá o novo comando estadual da sigla.

O evento será realizado no dia 1º de dezembro com o favoritismo da manutenção do vice-governador Eduardo Pinho Moreira na presidência.

 

"Nenhum filiado ao PT deve se sentir constrangido a fazer campanha e votar nos candidatos do PMDB."

José Fritsch, presidente estadual do PT, sobre a posição nacional que virou orientação estadual.

 

Vale sim

Independente da neutralidade em Florianópolis e do apoio de Carlito Merss a Kennedy Nunes (PSD) em Joinville, José Fritsch reforça que a orientação do diretório estadual favorável às candidaturas do PMDB prevalece.

Fritsch, presidente do partido, repete que trata-se da consolidação da aliança com os peemedebistas para a reeleição de Dilma Rousseff, em 2014.

 

PAULO ALCEU

 

Resultado dos apoios

A primeira impressão é de que apoios, como ocorrem num segundo turno, são negociados e não espontâneos. Com a imagem do político em constante suspeição faz com que o eleitor acredite até em transações financeiras. Mas o que chama a atenção é que dias atrás eram adversários com propostas em conflito, além de cobranças e até acusações. De repente hipotecam apoio ao adversário e saem para pedir voto para quem ontem criticavam. Coerente, palavra que não transita pela política, seria neutralidade e liberar seus eleitores. Até porque apoios não significam que o eleitor vai seguir a decisão da cúpula partidária. Muitas vezes é bem o contrário. O que se vê inclusive internamente com divisões e manifestações contrárias. Mas não optar por um dos candidatos deixaria o partido á margem do poder podendo comprometer lá na frente. Isso confirma que a ideologia que hoje sustenta todos os partidos é o acesso ao poder com ganhos que atendam os mais variados interesses, embora o discurso seja outro completamente diferente.

 

Tucano de destaque

Na avaliação do deputado Gilmar Knaesel está surgindo no Estado uma nova liderança. Ele se refere ao candidato Napoleão Bernardes, que disputa a eleição de Blumenau e surpreendeu no primeiro turno liderando a votação, enquanto as pesquisas o colocavam em terceiro lugar. Knaesel chegou a comparar a ascensão de Bernardes lembrando o surgimento de Esperidião Amin no cenário político catarinense. Disse ser semelhante pelo carisma e aproximação do eleitorado. “O Napoleão virou febre em Blumenau. Por onde a gente passa só se fala nele,” afirmou o parlamentar do PSDB, que chegou a apostar que está sendo construído um novo líder que irá fazer parte da história política de Santa Catarina. “Pode anotar...” garantiu. Enquanto isso, os adversários no segundo turno começam a apostar que ainda há chances de fazer a diferença nas urnas. Jean Kullmann do PSD não jogou a toalha, apesar da distancia que o mantém de Napoleão, que lidera com folga a corrida eleitoral em Blumenau.

 

Bem-vindos

Durante a campanha o candidato Kennedy Nunes, de forma sutil e às vezes irônica, situava o adversário Udo Dohler como patrão. Enquanto isso o deputado do PSD dá a entender que terá uma postura mais sintonizada e identificada com os servidores. Uma forma de alfinetar o empresário. O apoio a Dohler do Movimento Sindical, composto por 30 sindicatos de trabalhadores, de repente, servirá de antídoto aos ataques do candidato do PSD.

 

Felicidade

Em Brasília ontem o secretário Paulo Bornhausen não escondia a satisfação com o anuncio da fábrica da BMW no Brasil. Um sentimento de trabalho cumprido. Na próxima segunda-feira em Santa Catarina o governo do Estado e a direção da montadora alemã assinam o Memorando de Entendimento que dará início ao processo de instalação no Norte do Estado. O primeiro carro deverá ser colocado no mercado no final do ano de 2014.

 

Mediação

A preocupação de parlamentares é de que caso sejam fechados os Centros de Formação de Condutores, por uma determinação judicial, os maiores prejudicados serão os moradores de pequenos municípios. Terão que se deslocar para cidades maiores para fazer ou renovar as habilitações. Hoje na Assembleia acontece uma reunião com representantes do Detran, Secretaria de Segurança e Ministério Público onde os deputados Darci de Mattos, Edison Andrino e Mauricio Eskudlark tentarão amenizar as consequências desta medida. Segundo o deputado Eskudlark o ideal seria manter os 93 CFCs, mas não dando pelo menos fechar o mínimo de autoescolas.

 

Tuitando

@ Desculpe. A equipe do Gean Loureiro bombardeou pai e mãe dos adversários. Dando a entender que não se trata de mudança. O grupo de César Junior atirou contra a esposa do peemedebista devido a uma contratação discutível. Na verdade os dois estão atacando.

 

@ Baixaria em política é atingir a integridade das pessoas levando o debate para o campo estritamente pessoal com acusações levianas e odiosas. Baixaria é mentir e tentar com jogo de palavras enganar os desavisados. A campanha chegou a um nível de tensão devido ao grau de disputa onde o errado é sempre o outro.

 

@ A imprensa quando denuncia está prestando um serviço publico ou produzindo baixaria? O lamentável é que no universo da política as denúncias sempre surgem nessas ocasiões. Todos sabem das podridões, mas deixam acontecer até que mexe em interesses. Daí saem como apóstolos da ética.

 

@ Tudo indica que em Florianópolis esta semana lamentavelmente o programa eleitoral será recheado de alfinetadas e acusações. A eleição na Capital, segundo avaliação está muito disputada sendo que quem vencer não produzirá uma grande diferença, será apertada. Quem errar menos até domingo terá mais chances.

 

@ Continua o drama do celular na Capital. Em muitos locais a ligação é interrompida. São denominadas zonas de sombra, só que estão aumentando e dificultando a comunicação. Caso seja a falta de torres, que atendam a demanda, com a chegada dos turistas vai complicar ainda mais.

 

Oportunidades

Segundo avaliação do senador Casildo Maldaner a aproximação eleitoral, no segundo turno em Santa Catarina, entre PMDB e PT, poderá contribuir na decisão de instalar um terminal de regaseificação de gás natural liquefeito em Santa Catarina. Na verdade a presidente Dilma Rousseff já acenou com essa possiblidade. Maldaner defende uma refinaria no Estado. A Fiesc apresentou um estudo sobre as oportunidades na cadeia de petróleo e gás, onde além do terminal de gás estão estaleiros para a construção de barcos de apoio e reparo naval, assim como empresas de base tecnológica. São negócios segundo a Fiesc atrativos e ,a curto prazo, rentáveis.

 

Divisão

O senador Paulo Bauer gravou depoimento para o programa do candidato Udo Dohler em Joinville. O PSDB no município fechou com o candidato Kennedy Nunes, mas algumas lideranças ficaram com Dohler do PMDB. Bauer a bem da verdade está retribuindo a parceria que teve do senador Luiz Henrique. Na quarta-feira receberá em Blumenau o senador Aécio Neves que passará pela cidade para hipotecar apoio ao candidato tucano Napoleão Bernardes.

 

A vida segue

Nem começou a reforma administrava e o PSDB já está mandando recado para o governador Raimundo Colombo. Quer mais espaço. Sabe que perdeu fôlego nas eleições municipais e teme reduzir sua participação no governo.

 

PORTAL EXXTRA

 

Bastidores da política em SC 

 

 Por Ivan Lopes da Silva

 

Baixaria nas campanhas

O desrespeito e falta de compostura de alguns amadores na política geram baixaria, vandalismo, injúrias, mentiras, calúnias, enfim, coisas que nenhum eleitor aguenta mais. Por tanto, “cidadão”, aprenda que fazer política não é incitar o povo a vaiar ninguém, e muito menos gesticular com o dedo para autoridades e principalmente para o povo. Embora todos os políticos afirmem que o processo eleitoral ocorreria no “melhor nível”, ninguém está escapando das rasteiras de bastidores e das acusações nem sempre confirmadas ou aprofundadas.

Existe gente que entende que em política, como em futebol, só não vale perder. O jogo é bruto e vale tudo. Chute na canela, ataque abaixo da cintura, enfim tudo e qualquer coisa que se pode fazer contra o adversário. Vivemos um tempo de dossiês, falsos ou verdadeiros, não importa. Aliás, a palavra dossiê, por si mesma, já passou a ser maldita.

Quanta ignorância, quando a palavra em si nada tem de negativa. Mas é esse o nível político, não apenas ético, mas de conhecimento, de cultura mesmo. Mas vamos lá: baixaria elege? O termo é utilizado para designar aqueles lances em que a moral individual, particular, invade a vida pública.

O jogo baixo sempre existiu, não é de agora, muito embora nos últimos anos parece que passou a ser trivial no manual de como se dar bem numa eleição. Às vezes funcionam, algumas não. A baixaria também não é privilégio nem de partido político, nem de ideologias. O uso é genérico.

Faça sua política, defenda o seu candidato, mas não ultrapasse nunca a barreira do respeito, que é primordial para a boa relação entre as pessoas.

 

 

 

 



PMDB SANTA CATARINA

Rua Laura Caminha Meira, 71 - Centro - CEP 88020-310 - Florianópolis - SC

Fone/Fax: (48) 3222-1790 - 3222-1255